About

Posts by :

Sexo é melhor que remédio para combater dor de cabeça

Sexo é melhor que remédio para combater dor de cabeça



Estudo comprova que sexo melhora incomodo da dor de cabeça de forma mais eficiente que remédios







Share







Sabe aquela velha desculpa das mulheres para fugir do sexo, falando que estão com dor de cabeça? Está com os dias contados. Segundo estudos da University of Munster, na Alemanha, uma transa pode ser mais eficaz que remédio para combater esse sintoma.

Segundo os pesquisadores, uma a cada cinco pessoas que se sujeitaram a uma noite de amor com dor de cabeça saiu sem nenhum incomodo, enquanto as outras registraram melhora. Os cientistas atribuíram a liberação de endorfina, uma substância natural que gera um efeito de alívio ao corpo.

A pesquisa foi atribuída a 400 pessoas, sendo que 33% se submeteu ao sexo quando sentiu dor de cabeça. Destes, 36% realmente sentiu alguma melhora.



Fonte: Revista PlayBoy —> playboy.abril.com.br

COME QUETO a rede social que vai revolucionar o SEXO Online!

É muito mais Prazer em Um só Lugar!

Instagram do Dia: Devin Brugman

Instagram do Dia: Devin Brugman

Devin Brugman é mais uma daquelas modelos de biquíni americanas que adora lotar as redes sociais com fotos sensuais. Por isso, siga ela no Instagram (@devin_brugman)


Fonte: Revista PlayBoy —> playboy.abril.com.br

COME QUETO a rede social que vai revolucionar o SEXO Online!

É muito mais Prazer em Um só Lugar!

Primeira foto de Carol Narizinho na PLAYBOY é revelada

Primeira foto de Carol Narizinho na PLAYBOY é revelada



Carol Narizinho aparece comendo melancia na primeira foto da PLAYBOY divulgada







Share







Carol Narizinho se delicia com um pedaço de melancia na PLAYBOY

A primeira foto de Carol Narizinho foi revelada e já mostra o que está por vir na PLAYBOY de março. Nela, a panicat aparece se deliciando com um grande pedaço de melância, para saciar o forte calor do litoral paulista, local onde foram feitas as fotos.

A capa de Carol Narizinho já foi polêmica. Agora, com essa foto, não resta mais dúvidas de que essa musa vai deixar muitos homens em pânico quando a revista chegar às bancas, na próxima terça-feira, 12.



Fonte: Revista PlayBoy —> playboy.abril.com.br

COME QUETO a rede social que vai revolucionar o SEXO Online!

É muito mais Prazer em Um só Lugar!

12 formas de estragar o sexo oral nelas

 

Sexo oral é tão endeusado porque é sempre um presente, uma gentileza. É impossível fazer sexo oral em você mesmo então é preciso valorizar sempre que alguém se propõe a gastar minutos da sua vida e malhar sua língua e seu maxilar em nome do prazer alheio. Pras mulheres, sexo oral costuma ser uma das partes mais esperadas do sexo, o que faz com que a decepção diante de uma chupada meia-boca seja gigantesca.

Pra você não correr o risco de nadar, nadar e perder a mulher por causa da sua incompetência oral, trouxemos hoje uma lista com formas clássicas de estragar essa invenção dos deuses, pra que você se certifique que jamais irá cometer esses erros:

1. Vá direto no clitóris

Mulher precisa aquecer. Se você vai direto na parte mais sensível do corpo dela sem que ela esteja com bastante tesão, você provocará o efeito inverso – ela vai morrer de agonia e implorar pra que você tire a língua de lá.

2. Fique pedindo pra ela gozar de 5 em 5 minutos

Não tem coisa mais broxante do que um cara mala repetindo de minutos em minutos “goza logo pro papai ver” ou coisas do tipo. Com certeza, nesse momento, ela vai pensar: Eu até gozaria, se você colaborasse e trabalhasse em vez de ficar tagarelando.

3. Não escute as dicas dela

Você está se achando o rei do boquete, mas nem se deu conta que está estimulando uma parte que não dá tanto prazer pra ela. E aí ela, toda paciente, diz: “Gosto um pouco mais forte e mais pra direita”, pra ter que ouvir de você: “Relaxa que eu sei o que tô fazendo!” Tem certeza? Não parece.

 

4. Fique com a língua dura

O clitóris é a região mais sensível do corpo feminino, por isso o homem precisa usar toda a suavidade e textura macia da língua pra não provocar aflição. Língua mais firme pode até fazer parte do processo, mas mais pro final, quando ela já está com bastante tesão e prestes a gozar.

5. Economize na saliva

Não tem nada pior do que um sexo oral seco. Se tem um momento na vida em que a saliva é sua forte aliada, é nessa hora. Abuse dela.

6. Use somente a sua boca

Um sexo oral bem feito é aquele em que o homem explora o corpo da mulher com as mãos também. Vale de tudo: Passar as mãos pelo corpo, acariciar os seios, pegar na bunda, segurar as mãos dela, colocar um ou mais dedos dentro dela, introduzir aquele dedinho na porta traseira ou até mesmo trazer um amigo vibrador pra ajudar naquelas horas que a língua ou os dedos se cansaram.

 

7. Pense que lá embaixo é um pedaço de bife. E que você é um cão esfomeado.

Não sei se é nervosismo, ansiedade, inexperiência ou muito tempo sem sexo, mas tem homem que se afoba na hora do sexo oral. Ele mexe a cabeça e a língua descontroladamente, sem se preocupar em ler os sinais da mulher, resultando numa cena lamentável e numa mulher que não vê a hora de partir pra próxima fase do sexo, porque essa já deu.

8. Tenha nojinhos

Você quer que a sua mulher engula seu gozo mais morre de nojo de colocar a língua na área mais estratégica do corpo dela? Desconfio que talvez não goste tanto de mulher assim como anda dizendo por aí… Se depois do sexo oral corre pro banheiro pra lavar a boca, então…caso perdido.

9. Fique sempre no mesmo movimento, com a mesma pressão

Sexo oral pra ser bom precisa de variação de movimentos. Agora é a hora de você usar sua criatividade. Vá testando opções e observando como ela reage. Se percebeu que ela gostou, memorize esse movimento pra repetir numa próxima oportunidade, assim você vai montando um repertório seu de técnicas. Pressão também precisa variar – é fail total se você começa forte demais e se fica muito molenga e suave quando ela está querendo gozar.

 

10. Morda o clitóris dela

Tá louco? Essa a área mais sensível do corpo da mulher então a não ser que ela dê sinais claros de que quer uma mordida, aconselho nem tentar essa manobra arriscada. A não ser que não se importe em tomar um chute no meio do sexo.

11. Cuspir pra fingir que ela já está molhada

Você acha que engana quem? A mulher sabe exatamente quando está lubrificada ou não. Tem homem que se acha o esperto – dá uma cuspida pra simular lubrificação e pra ter uma desculpa pra ir logo pros finalmentes. Coisa de quem não tem habilidade nenhuma pra deixar uma mulher excitada.

12. Pare antes dela gozar

Se não sabe brincar, não desce pro play. A partir do momento em que você decide colocar sua boca na perseguida dela, não pode sair de lá até que ela tenha gozado pelo menos uma vez. Isso pode demorar um tempo e você precisa ter determinação. Pense que um sexo oral caprichado, cedo ou tarde, acaba voltando pra você.

 

 


Fonte: sweetlicious.net

COME QUETO a rede social que vai revolucionar o SEXO Online!

É muito mais Prazer em Um só Lugar!

Agora a brincadeira vai começar…


Fonte: sweetlicious.net

COME QUETO a rede social que vai revolucionar o SEXO Online!

É muito mais Prazer em Um só Lugar!

Entrevista: Cacá Diegues

Entrevista: Cacá Diegues

Depois de 4 horas de conversa, divididas ao longo de duas sessões em sua produtora, no Centro do Rio de Janeiro, o cineasta Cacá Diegues sentiu necessidade de dizer mais uma coisa. Cerca de 1 hora depois de terminada a conversa, ele mandou um e-mail ao entrevistador. “Falamos de Nara e de Sonia, e nada de Renata. Por favor, não deixe de dizer que estou casado com Renata há 31 anos, que ela mudou minha vida quando a encontrei, que hoje é como se fôssemos uma pessoa só. Não entendo mais a vida sem ela.” Nara é Nara Leão, a cantora, falecida em 1989, com quem Cacá foi casado por dez anos e teve dois filhos. Sonia é Sonia Braga, a atriz, que ele namorou por seis meses em 1978. E Renata Almeida Magalhães, sua sócia na produtora Luz Mágica, ele já se encarregou de apresentar.

Sua atitude não chega a surpreender; afinal, só um homem passional (e apaixonado) poderia ter dedicado cinco décadas da vida à árdua missão de fazer cinema no Brasil. Alternando grandes sucessos de público, como Xica da Silva (1976), e filmes que ficaram na história do cinema nacional, como Bye Bye Brasil (1979), com outros recebidos com críticas mordazes, como Orfeu (1999), Cacá construiu uma história sólida como realizador.

Nascido em Maceió em maio de 1940, Carlos José Fontes Diegues veio com a família para o Rio aos 6 anos. A mãe, assustada com a cidade grande, não o deixava fazer muita coisa além de ler, jogar futebol e ir ao cinema. Nesse cenário, no bairro de Botafogo, surgiram suas grandes paixões: o futebol e o cinema. Seu primeiro curta-metragem, Fuga, é de 1959, já como estudante de direito da Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro. Dois curtas e três

anos mais tarde, Cacá dirigiu seu primeiro filme profissional, um dos episódios de Cinco Vezes Favela. Em 1964, fez seu primeiro longa-metragem, Ganga Zumba. Por causa das filmagens, perdeu as provas finais da faculdade e o diploma de direito. Mas se tornou, com os dois filmes seguintes (A Grande Cidade, em 1966, e Os Herdeiros, em 1969), um dos principais nomes do Cinema Novo, ao lado do amigo Glauber Rocha. Seus filmes mais recentes, como Deus É Brasileiro (2002) e O Maior Amor do Mundo (2006) podem não ter tido bilheterias que fizessem frente a seus maiores êxitos, mas revelaram um cineasta que continua em paz com o público – o que nem sempre acontece com a crítica. Em 2013, ele lança como produtor Giovanni Improtta, filme que marcará a estreia na direção do ator José Wilker, e dirige ele próprio O Grande Circo Místico, que será seu 18° longa.

Mais de uma década depois de sua primeira entrevista para a PLAYBOY, publicada em julho de 1999, na época do lançamento de Orfeu, Cacá conversou com o editor Jardel Sebba na sede de sua produtora, no Centro do Rio. Descontraído e bem-humorado, falou sobre o novo cinema brasileiro, namoros, crítica, público e política. Só não falou de Renata, mas fez questão de registrar logo em seguida que ela não poderia deixar de aparecer com destaque em sua história.

Você completou 50 anos de carreira no ano passado. Olhando para trás, se arrepende de alguma coisa que fez?
É por isso que não vejo meus filmes. Porque, se visse, ia me arrepender de tudo. [Risos.] Quando você faz um filme, cada escolha que faz significa 1 milhão de perdas. Ela [aponta para a fotógrafa] escolhe onde vai botar a câmera. Ela escolheu botar ali? Então está perdendo esse ponto de vista, esse outro e esse outro. Quando ela for ver o trabalho pronto, se for uma pessoa cheia de dúvidas como eu, vai se perguntar se não era melhor ter colocado a câmera do outro lado, ou contratado outro ator, ter colocado uma música diferente aqui, não ter posto este diálogo. Isso tudo pode acontecer. Eu não sei se nos meus filmes acontece porque não os vejo exatamente por isso. Não quero ficar remoendo o que já fiz e também não quero ser condenado a ser o que já fui. Eu quero fazer cada filme meu com a mesma, digamos, euforia de um primeiro filme e a mesma audiência de um último filme.

Mas não houve filmes que você terminou e pensou: isso não era o que eu achava que ia ser?
Para começar, tenho muito orgulho de tudo que fiz. Tudo o que fiz foi muito sincero. Alguns filmes fizeram sucesso; outros, não. E eu posso não ter feito tudo o que quis, mas nunca fiz o que não quis. Agora, de vez em quando, você tem essa frustração mesmo. E isso aconteceu comigo de maneira grave em Quilombo, filme que fiz em 1983. Era um filme muito caro, todo filmado em externas, e aquele foi o ano do [fenômeno climático] El Niño, e chovia sem parar na Baixada Fluminense, onde estava filmando. Um filme que era para durar 12 semanas durou 24. Eu passei seis meses filmando, estava enlouquecendo. Foi a época em que menos dormi na minha vida. Eu passava a noite toda reescrevendo o roteiro com dois ou três colaboradores, e o filme que ficou pronto não era o que estava no roteiro, era outro. Foi um desastre. Eu fiquei na miséria, perdi tudo, foi uma coisa pavorosa. Não tinha como resolver aquilo porque era uma chuva de seis meses, entendeu? Daí a gente saía de manhã do hotel para filmar, botava o pano, e pronto, começava a chover novamente, acabou. Foi uma tragédia.

Ainda sobre arrependimento: você não se arrepende mesmo de ter escalado Toni Garrido no papel principal de Orfeu?
Não acho que tenha sido um erro, o Toni Garrido era um Orfeu. E o que se acusou o Toni Garrido, de não ser um bom ator, isso é pura culpa minha, responsabilidade minha. Eu o chamei porque ele era, na minha cabeça, o Orfeu, um homem negro, músico, talentosíssimo, vindo de uma vida pobre e que tem uma certa generosidade, uma certa alegria na vida. Tudo o que eu achava que era o personagem. Então o que fiz ali foi fazer com que ele não interpretasse, que ele fosse aquilo que ele era. Orfeu foi um dos primeiros filmes da retomada que fizeram mais de 1 milhão de ingressos, então isso quer dizer alguma coisa.

Orfeu foi, em 1999, a indicação brasileira ao Oscar de melhor filme estrangeiro, que nunca veio. A gente precisa de um Oscar?
Não. Agora, se eu disser que estou pouco me lixando para o Oscar, estou mentindo. Nenhum cineasta é maluco. O Oscar é uma divulgação do seu trabalho para bilhões de pessoas no mundo. É a maior vitrine comercial de cinema do mundo, não tem nada igual. Mas não acho que a gente deve fazer do Oscar o juiz da obra da cinematografia brasileira. Isso é maluquice. “Ah, estou fazendo esse filme para o Oscar…” Isso não dá certo. Mesmo porque ninguém sabe do que o Oscar gosta mesmo.

Nazismo, criança, um pouquinho de pobreza… Tem temas que ajudam, não?
Às vezes, sim; às vezes, não. Sinceramente, não sei. Veja bem, na cabeça de um americano, o Oscar é uma festa americana, com todas as virtudes e os defeitos da cabeça americana. A virtude é essa generosidade de todo mundo botar smoking para aplaudir uns aos outros. Aquilo é bacana, é uma coisa corporativa interessante, simpática. Mas tem os seus defeitos. Um dos defeitos fundamentais do Oscar é que o filme estrangeiro é sempre o café amargo do banquete cinematográfico.

Por que o Brasil não ganhou um Oscar até hoje?
Não sei. Eles acham que deram o prêmio para nós naquele Orfeu Negro [vencedor do Oscar de melhor filme estrangeiro em 1960], acham que aquele filme é brasileiro, apesar de ser do [francês] Marcel Camus. Mas não há implicância com o Brasil. E não devemos nos preocupar com isso. Já pensou o Leonardo Da Vinci dizendo que vai fazer um quadro para ganhar um prêmio da Academia de Roma? Isso não faz sentido. A gente não pode trabalhar assim. Agora, se vier, é bom.

Sua geração, a do Cinema Novo, tinha o desejo de retratar o Brasil, de trazer o país para a tela. O Brasil hoje está bem retratado em filmes como Tropa de Elite, Carandiru, Cidade de Deus?
Eu tenho 50 anos de cinema, sem contar os de cinéfilo. Comecei a fazer meus filmes com 22 anos, mas aos 17, 18 eu já sabia que queria ser cineasta, já estava tentando me formar cinematograficamente. Durante esse tempo, assisti a uns cinco ou seis ciclos do cinema brasileiro, as chanchadas, a Vera Cruz, o Cinema Novo, a Embrafilme. E eu nunca fui testemunha de um ciclo tão fértil quanto este que vivemos hoje. No Cinema Novo, nós éramos uma meia dúzia de oito ou nove pessoas que fazíamos aquele barulho todo. Hoje, não, você tem centenas de jovens cineastas estreando, vindo das mais diferentes regiões do Brasil, de Pernambuco, do Rio Grande do Sul, no Ceará, em Brasília, na Bahia. Nós nunca produzimos tantos filmes no Brasil.

Mas e a qualidade?
Vou chegar lá. Já chegamos a quase 100 filmes por ano. Mas, se você me perguntar se são todos obras-primas, é claro que não! Mas os 650 filmes produzidos nos Estados Unidos por ano pelos grandes estúdios são obras-primas? Os 250 filmes produzidos pela França são obras-primas? Claro que não. Claro que, desses 100 filmes que estamos produzindo, a grande maioria é de filmes ruins. Não me pergunte quais são porque eu não vou ficar destruindo meus colegas. Mas há, por outro lado, uma porcentagem de filmes bons que garantem a validade e a importância de existir um cinema brasileiro. “Ah, o cinema argentino é melhor que o nosso…” Você vê três filmes argentinos por ano, quando a Argentina está produzindo mais do que a gente. Aqueles três são os que conseguiram espaço no cinema internacional. A mesma coisa é o Brasil.

O que essa geração de diretores como José Padilha, Walter Salles e Fernando Meirelles tem que vocês não tinham no Cinema Novo?
Conhecimento técnico. Qualquer filme de estreia no Brasil hoje é muito melhor do que qualquer um dos nossos filmes de estreia. Estou dizendo tecnicamente. Artisticamente pode ser uma porcaria, mas é bem-feito. Isso eles têm, um controle da linguagem que nós não tínhamos. Nós aprendemos a fazer cinema sendo assistentes de grandes cineastas ou lendo a [revista francesa] Cahiers Du Cinéma, discutindo em cineclube, enquanto eles, não, eles estão indo às escolas. O fenômeno das escolas de cinema no Brasil é um fato. Eu até fico espantado, porque onde é que esse povo vai trabalhar? [Risos.]

Sempre faltou ao cinema brasileiro pensar mais no público?
Não é verdade que os filmes brasileiros não pensam no público. Vários são filmes de grande resultado de bilheteria, Tropa de Elite só perde para Titanic. É a maior renda da história no Brasil. Agora, os filmes que estão realmente dando sucesso de bilheteria são os filmes de baixa qualidade cultural, artística, política, ética, o que você quiser. Como é que você vai fazer, vai proibir o público de ver esses filmes? Só se a gente trocar de público. Então não é o problema do cinema brasileiro, mas é um problema do povo brasileiro. A gente vai ter de trocar de povo. Como acho que não há necessidade nem é justo trocar de povo, isso é uma questão de tempo. A gente tem de fazer os filmes de qualidade darem dinheiro. Não podemos ficar nessa babaquice de dizer que ou é bom ou é sucesso de bilheteria porque, se for sucesso de bilheteria, é uma merda, e, se for bom, não pode dar dinheiro. Você já viu algum crítico elogiar filme que dá dinheiro? Nunca aconteceu isso. Cidade de Deus só foi elogiado depois que o Festival de Cannes reconheceu, que foi para o Oscar. Agora, se o público escolhe um filme chamado E Aí, Você Comeu? [sic], o que posso fazer? Só se eu trocar de povo.

O público é burro?
Não é que o público seja burro, mas ele está malacostumado. Ele está acostumado com que bom é o que é feito em Hollywood, com efeitos visuais, às vezes até maravilhosos. Eu também adoro alguns desses filmes. Esse último Batman eu fui ver e fiquei encantado. Mas, ao mesmo tempo, botaram na cabeça que o brasileiro é ruim. Existe uma falta de afinidade entre o público e a inteligência brasileira. As pessoas vivem dizendo que o Cinema Novo desprezou o público, o que não é verdade. O que nós estávamos tentando fazer ingenuamente – todos tínhamos 20 anos de idade – era um cinema que tivesse uma nova linguagem, uma nova forma de ver o Brasil. Não só retratar a realidade brasileira, mas retratá-la sem naturalismo. Só que o público está acostumado a 400 anos de folhetim americano. Custou até a gente ter um filme que desse dinheiro, como Macunaíma ou, depois, Xica da Silva.

Você foi uma das raras pessoas que viram Chatô, o Rei do Brasil, o filme de Guilherme Fontes que nunca termina. É bom, pelo menos?
Eu vi, mas não estava pronto. Foi há muito tempo. O Guilherme Fontes me mostrou, pediu umas ideias, eu dei, e ele não fez nada do que eu disse. [Risos.] Sobre o filme, eu disse a ele uma frase de que ele gostou muito, por isso vou repetir para você: “É o último filme tropicalista do cinema brasileiro”. [Risos.] Aí você entenda como quiser, eu não vou falar mais nada…

Você toparia ter feito Lula, o Filho do Brasil?
Esse filme tem um dos inícios mais bonitos do cinema brasileiro recente, mas sinto que ele teve um problema grave. Ficou a meio caminho do melodrama banal sobre uma pessoa que era pobre e ficou poderosa e do papel político dessa pessoa. O filme evitou o papel político dessa pessoa. Eu não faria esse filme de jeito nenhum. Cheguei a falar com o [produtor] Luiz Carlos Barreto e com o [diretor] Fábio Barreto: “Não faz agora. Espera o cara deixar de ser presidente porque é um risco muito grande”. Não é que o filme seja ruim. E também se esperava que o filme fizesse 10 milhões de espectadores. Fez 800 mil e foi considerado um fracasso. Até que 800 mil é normal. É que, para a onda que foi feita sobre o filme, ficou ruim. Eu acho toda aquela parte do Nordeste e do início em São Paulo muito boa. Mas depois, quando ele fica maduro e começa a parte política, é um desastre. É um desastre porque não é político nem melodramático, fica no meio do caminho.

Falando em Lula, você esteve, em 2003, na sala de cinema do Palácio da Alvorada para a exibição de Deus É Brasileiro para o então presidente. Qual é sua lembrança desse episódio? Vocês beberam juntos?
Muito boa. Ele é muito simpático. Eu gosto muito dele. Bebemos, mas não muito. Eu bebo muito pouco, ele bebe mais do que eu. [Risos.] Mas não é bêbado, não, pelo menos eu não o vi embriagar-se. Mas foi muito simpático, muito agradável, divertido e gostou do filme. Acho que ele gostou mesmo porque, depois, no jantar, ele falou bastante do filme. Quando você não gosta de um filme, você fica quieto.

Você acha que Dilma, a Filha da Bulgária daria um bom filme?
Nunca pensei nisso. [Risos.] Não sei a história da Dilma. Eu tenho a maior admiração por ela, fiquei muito impressionado com aquela famosa foto dela prestando depoimento na ditadura. Ela deve ter sido uma moça muito interessante. Mas não conheço a história dela para te dizer isso.

Você votou nela?
Não, eu votei no Serra.

Está feliz com o governo dela?
Estou feliz. Estou surpreendido, sobretudo com o equilíbrio dela. Ficam falando que parece que ela grita com os ministros, não sei como é a vida dela particular, mas, como brasileiro, acho que ela tem um equilíbrio fantástico e está fazendo tudo certo no meu ponto de vista.

Inclusive colocando a Marta Suplicy no Ministério da Cultura?
Vou lhe dizer uma coisa: eu não sei o que a Marta Suplicy pensa sobre cultura e, pelo que li nos jornais, ela também não sabe. Ela disse que vai estudar, que vai se aprofundar nos temas para ver o que vai fazer. Mas, se ela for pelo caminho certo, vai ser um sucesso porque é a primeira ministra da Cultura que tem o poder político que ela tem. O que ela quiser fazer ela vai fazer.

Mesmo sem verba?
Mesmo sem verba. Se ela quiser, ela bota para andar todos os projetos importantes que estão no Congresso de uma vez. Em um ano ela faz isso. Ela foi presidente do Senado, cara. Conhece os meandros do Congresso e, se não me engano, vai ser credora do Executivo porque parece que foi para lá para eleger o [prefeito de São Paulo Fernando] Haddad, né? Nenhum outro ministro da Cultura teve esse poder político que a Marta tem. Agora, não sei o que ela vai fazer com esse poder.

OUÇA O QUE CACÁ DIEGUES TEM A DIZER SOBRE A POLÍTICA DE INCENTIVO AO CINEMA NO BRASIL

Ficou célebre uma expressão que você cunhou numa entrevista ao jornal O Estado de S. Paulo em 1978, as “patrulhas ideológicas”. Você continua, de alguma forma, sendo cobrado pela esquerda pelos filmes que faz?
Não me sinto cobrado. Eu sinto, às vezes, certas incompreensões. Mas sou muito metido, falo muito. No fundo, acho que o meu dever é estar sempre atento ao estado do mundo, seja fazendo filmes, seja dando entrevistas, seja escrevendo, fazendo o que for. Isso gera, certamente, irritações. No início do governo Lula, que era um homem pelo qual eu tinha a maior admiração, com três meses eu estava gritando contra o dirigismo cultural. Isso em 2003. Tinha um grupo da Secretaria de Comunicação que estava começando a criar regras para decidir quem podia e quem não podia fazer filmes no Brasil.

Em algum momento da vida você se sentiu incompreendido?
Não. O que é isso? Acho que fui muito sortudo na minha vida. Claro que tem certos momentos em que você fica chateado. Qualquer artista que diz “Eu estou pouco me lixando para a crítica” está mentindo. Você passa dois, três, às vezes quatro anos fazendo um filme, dá tudo de si, aí um dia acorda de manhã, abre o jornal e está lá escrito: “É uma merda!”, “Este cara não presta!” É uma coisa horrorosa. É um sofrimento inacreditável. Nem por isso me considero perseguido porque também fiz muitos filmes que as pessoas adoraram, sucessos de bilheteria. Eu já fiz de tudo no cinema. Fiz fracasso de bilheteria, sucesso de bilheteria, fracasso de crítica, sucesso de crítica. Posso te dizer que é muito chato não fazer sucesso. Mas, também, dar muita importância ao sucesso está errado.

Quanto custa um filme hoje?
É muito vago. Um filme pode custar 12, 14 milhões, como pode custar 500, 600 000 reais se você fizer um documentário, sem grandes produções.

Quem paga essa conta?
As leis de incentivo fiscal. Não tem outro jeito. Às vezes, você tem, como no caso do 5x Favela — Agora por Nós Mesmos (2010), o milagre de cair na sua vida um Eike Batista, que praticamente financiou o filme inteiro. Sem lei, sem nada. Só pelo interesse dele mesmo. Mas isso acontecer é raro.

Como é que você encontrou Eike?
Eu procurei ele. Nós temos um amigo em comum, e eu fui lá pedir dinheiro. E isso é a história da minha vida.

E ele foi receptivo?
Ele foi genial, entendeu tudo. E o 5x Favela é um filme que me fez guardar uma mágoa muito grande porque as fontes oficiais de financiamento não o entenderam. A Petrobras se negou a entrar, a Eletrobras se negou a entrar. Eu não consegui um tostão. Eu consegui uma mixaria do BNDES no apagar das luzes. Porque quem fez aquele filme, na verdade, foi o Eike Batista.

O que você acha que eles não entenderam?
Eles acharam que eu estava fazendo filme com favelado, que aquilo era amadorismo, que aquilo não tinha nenhum futuro profissional. Sei lá, eles não acreditaram no projeto.

Eike Batista era fã da sua obra?
Ele me conhecia, sabia quem eu era, pelo menos. Eu não cheguei lá e perguntei: “Você viu Quilombo?” [Risos.] Não dá para fazer isso. Mas ele me conhecia.

Como foi o contato de vocês depois disso. Ele foi ao set de filmagem, acompanhou o processo do filme?
Não, ele nunca foi ao set de filmagem. Imagina, ele não tem tempo para isso. Ele tem que ir lá nos poços de petróleo dele. [Risos.] Mas ele adorou o filme, participou de vários eventos ligados ao filme. Teve até um Festival do Rio, não lembro o ano, em que ele deu uma festa para o filme no barco dele.

Você já contou que fumou o primeiro baseado com o pessoal da favela Santa Marta, no Rio. O que lembra dessa experiência, apesar de não ser uma experiência exatamente de se lembrar?
[Risos.] Olha, diferentemente do Bill Clinton, eu traguei. [Risos.] Eu era criança, devia ter uns 12, 13 anos. Tinha um sapateiro que tinha uma biroscazinha ali e fumava maconha. E dava pra gente. Para mim, aquilo não era uma coisa horrorosa, havia uma certa naturalidade. Mas eu não fumo. Experimentei, gostei, porque é bom. [Risos.] Mas depois não viciei nem fiquei usando. Só voltei a fumar mais tarde, já nos anos 1960.

Você chegou a ter uma relação contínua com alguma dessas coisas, maconha, álcool, cocaína?
Não. Longa, não. Posso dizer que já experimentei quase tudo, mas nada me pegou como uma coisa sem a qual eu não podia viver. Nunca.

Alguma coisa de que você tenha gostado muito?
Se droga não fosse uma coisa boa, não tinha virado isso aí que é hoje. As pessoas fumam e cheiram porque é bom. O que a gente tem de discutir é a consequência disso. Não é o ato de você usar a droga. A gente tem de lutar contra a má consequência da droga. Eu, por exemplo, sou absolutamente a favor da legalização. Acho que isso aí vai acontecer mais cedo ou mais tarde.

De todas as drogas?
Pelo menos daquelas não letais. As mais suaves, vamos dizer. Não vou dizer o nome porque não convém, mas uma vez um delegado me disse: “Nunca prendi um bandido emaconhado. Todos os bandidos que prendo ou estão sob efeito da cocaína ou estão bêbados. Maconha, não”. Você fuma maconha e não tem vontade de sair por aí dando porrada ou matando gente. Ao contrário, né? Você curte a sua paz. Agora, eu acho que a legalização é inevitável porque, por mais que se faça campanha contra as drogas, o número de drogados cada vez cresce mais. Então, isso não tem sentido. E, se é um novo hábito que a humanidade está tomando, vamos legislar sobre isso. É feito o álcool. Quer beber, bebe. Mas não pode dirigir, não pode dar porrada na mulher, não pode uma porção de coisas. E com a maconha é a mesma coisa.

Maconha ainda faz parte da sua vida?
Não, não tenho me drogado, não [risos].

Falando em drogas, você é torcedor do Botafogo. Não é muito sofrimento torcer pelo Botafogo e fazer cinema no Brasil ao mesmo tempo?
Essa é a pergunta mais maldosa que já me fizeram na vida! Nunca me ocorreu essa relação. Eu sou sortudo. Fui botafoguense, e, no auge da minha torcida, de ir ao Maracanã todo domingo, de ir ver até treino e coisa e tal. Eu vi Garrincha, Nilton Santos, Didi, Quarentinha, depois Paulo César Caju, Gérson, Jairzinho. Eu posso morrer em paz. Não preciso mais ver o Botafogo campeão porque eu vi esses caras jogarem. Se, de repente, eu vejo hoje o Botafogo perder de 4 a 0 pro São Paulo, desligo a televisão e me lembro de jogos em que vi o Botafogo fazer 6 a 2 no Fluminense, o Garrincha botando a defesa do adversário toda sentada de bunda no chão. Eu tenho muito orgulho de ser botafoguense.

Você percebe, até como um homem de artes audiovisuais, que há um elemento de sofrimento em ser botafoguense?
Olha, é um estado de espírito absolutamente estranho, né? O Botafogo tem uma história de vocação para um destino trágico. Não é trágico, propriamente, é um destino histórico, ou seja, o seu sofrimento não é um sofrimento vulgar, é um sofrimento um pouco mais complexo. É um sofrimento que não faz doer, que dá até um certo prazer. Talvez seja isso.

Uma tendência ao melodramático?
Não, melodramático é o Flamengo! O Botafogo é puro estoicismo grego. Eu não tenho nada contra o Flamengo, adoro o Zico. Quais são os melhores jogadores da história do futebol brasileiro? O primeiro lugar é o Garrincha, o segundo é o Pelé, o terceiro é o Nilton Santos, e o quarto é o Zico. Então eu não tenho implicância nenhuma contra o Flamengo. Mas detesto a ditadura da maioria. Esse sufoco que a maioria provoca na minoria, sabe, não me agrada isso. Não sou contra o Flamengo, mas tenho um certo problema com o “flamenguismo” [risos].

A nudez no cinema brasileiro sempre foi uma coisa muito presente. Ela perdeu a importância nesta era dos favela movies?
Acho que não. Tenho uma implicância muito grande com essa coisa da demonização da nudez e do sexo. Houve um momento no cinema, mais ou menos nos anos 1990, que houve certo moralismo. O sexo era uma coisa que produzia tragédias. Isso não chegou ao cinema brasileiro. Eu acho meio hipócrita falar em “nudez pornográfica” e “nudez artística”. Isso não existe. Só tem uma nudez, o corpo é um só. Você pode dizer que isso é bem-feito e isso é malfeito, que isso era necessário e isso não era necessário, são outras coisas. Você reclama de um filme do Fernando Meirelles? Ensaio Sobre a Cegueira tem nu pra caramba e não tem nada de mais. Agora, quando o filme é ruim, você vai e registra aquilo como uma audácia pornográfica, escrota. Isso é hipocrisia. O que acontece é que o filme é ruim; não é a nudez o problema.

Quando você era adolescente, por exemplo, nudez no cinema o excitava?
Muito, claro. Fui amante de todas aquelas grandes estrelas do cinema americano. A minha adolescência praticamente foi toda enfeitada pelos filmes americanos. Aí, no final dos anos 1950, começaram a vir os filmes europeus, os italianos e os franceses. Aí, então, foi um disparate. Quantas vezes na minha vida eu dormi com Brigitte Bardot, com Anna Magnani, com todas essas mulheres maravilhosas… Uma que eu adorava era a Barbara Stanwyck. Tem o plano do Pacto de Sangue em que ela desce a escada com uma correntinha amarrada no tornozelo… Eu queria passar o resto da minha vida vendo só aquilo! Eu ficava desesperado porque chegava em casa e encontrava a minha tia, mais velha, que não tinha nada a ver com essas mulheres maravilhosas! [Risos.]

Sexo ainda é uma coisa importante na sua vida perto de completar 73 anos?
Claro que é. Sexo, amor, vida, tudo junto. A mesma coisa. Claro que tem um período da vida em que você está mais excitado, um outro em que você está menos excitado. Mas negar a importância do sexo é um absurdo total.

A idade pesou em algum momento nessa questão?
Claro que pesou. A pior coisa do mundo é ficar velho, cara! É claro que você fica menos hábil do que você era quando você era mais jovem. Mas, em compensação, você fica mais sábio. Não sei se é “em compensação”, porque é melhor ser hábil do que ser sábio [risos].

Hoje a cantora Nara Leão é um mito para as novas gerações. Você foi casado com ela de 1967 a 1977. Qual é a principal memória que tem da convivência com ela?
A Nara era uma pessoa extraordinária, totalmente fora de série. Além de ser muito inteligente e uma cantora que eu adoro. Mas eu não a conheci na época da Bossa Nova, é interessante isso. Eu a conheci depois. Na verdade, meu primeiro contato com a Nara foi porque ela namorava o Ruy Guerra, o cineasta, que foi quem montou o filme Cinco Vezes Favela, de 1962, no qual eu dirigi um dos episódios. E aí eu a conheci e a gente ficou amigo. Depois ela foi para um lado, eu fui para outro, e, lá na frente, a gente se encontrou e acabou se casando.

Você já contou a história de uma atriz de Xica da Silva que deu em cima de você nas filmagens. Você já deparou muito com atriz querendo dar para o diretor para subir na vida? Claro. Mas vou te dizer uma coisa que tenho muito orgulho de dizer: eu nunca comi uma atriz minha. Posso até ter comido antes ou depois de fazer o filme, mas, durante o processo de trabalho, nunca. Agora, antes ou depois, às vezes acontece.

Você namorou Sonia Braga. Como rolou isso?
Praticamente vivi com a Sonia durante seis meses. E a gente terminou muito amigo, somos até hoje. Ela é muito amiga da minha mulher, da Renata.

Aquela situação que você comentou, de trabalhar com gente com que já teve relacionamento, foi com ela?
Ela é uma delas. Mas não só.

Sonia Braga foi uma das mulheres mais desejadas do Brasil durante muitos anos…
Eu sou um sortudo. Só posso te dizer isso, que eu sou um sortudo. [Risos.] Eu adoro a Sonia e posso te dizer que a gente teve uma relação muito bacana enquanto durou, como dizia o Vinicius. E ela é uma pessoa extraordinária. Ficamos muito amigos. Claro, a gente não tem mais nenhuma relação. Isso aí durou seis meses, foi em 1978, faz muito tempo. Ela estava fazendo a novela Dancin, Days.

Faz bem para o ego namorar durante seis meses a mulher mais desejada do Brasil naquele momento, como era Sonia Braga?
Eu te juro que não pensava nisso. Eu não pensava no prazer dos outros, eu só pensava no meu prazer. E o meu prazer era estar com ela, que era uma pessoa maravilhosa.

Outra curiosidade é que um ator que fez muitos filmes seus, o Antônio Pitanga, tem a fama de possuir o maior pênis do Brasil. Você chegou a ter oportunidade de conferir se isso é verdade?
Não sei se posso contar isso, talvez na PLAYBOY eu possa. Pitanga é meu velho amigo, é uma pessoa que eu adoro. O meu primeiro filme, Ganga Zumba, fiz com ele. Fui eu que trouxe o Pitanga da Bahia para o Rio. Ele acabou morando na minha casa porque a gente fez logo depois A Grande Cidade e ele chegou sem dinheiro, não tinha para onde ir. Queria ficar, evidentemente, para seguir a carreira dele e morou lá em casa um tempo. Em A Grande Cidade, em Campos, onde a gente estava filmando, um dia estou no meu quarto de hotel e ouço um barulhão. Quando eu desço, o Pitanga estava levantando uma cadeira com o negócio lá…

Levantando uma cadeira com o negócio lá?
Uma cadeira! [Risos.] Ele estava fazendo uma demonstração! Tinha uma plateia, que era a equipe do filme, mas só tinha homem… Não era uma poltrona nem era um sofá, mas era uma cadeira de respeito [risos].

Source Article from http://playboy.abril.com.br/entretenimento/cinema/entrevista-caca-diegues/


Fonte: PlayBoy—> playboy.abril.com.br


Fonte: Revista PlayBoy —> playboy.abril.com.br

COME QUETO a rede social que vai revolucionar o SEXO Online!

É muito mais Prazer em Um só Lugar!

Minha saia curta

tumblr_lste65FDZF1qg6l8xo1_1280

 

“My short skirt is not an invitation/ a provocation/ an indication/ that I want it or that I give it… my short skirt, believe it or not, has nothing to do with you.”

The Vagina Monologues

 

“Minha saia curta não é um convite/ uma provocação/ uma indicação/ de que eu quero ou de que eu daria… minha saia curta, acredite ou não, não tem nada a ver com você”

Os Monólogos da Vagina

COME QUETO a rede social que vai revolucionar o SEXO Online!

É muito mais Prazer em Um só Lugar!

Regina Casé nunca foi bonita, mas já foi gostosa

Documento histórico: Cena do filme “Os Sete Gatinhos”, de 1980, dirigido por Neville d’Almeida e com roteiro baseado na obra de Nelson Rodrigues. Conversando com um amigo sobre pornochanchada, nos recordamos dessa cena (e de que um dia Regina Casé já foi gostosa).

Deixa aí nos comentários mais links das MILFs de hoje que foram as gostosas em um tempo que tínhamos que ficar acordados até tarde para ver pela TV um pouco de peitinhos e pepekinhas. Um tempo sem internet, videocassete era aparelho de gente rica e as Playboys eram compartilhadas pelos amigos.


Fonte: sweetlicious.net

COME QUETO a rede social que vai revolucionar o SEXO Online!

É muito mais Prazer em Um só Lugar!

Aline Uva é eleita Coelhinha de fevereiro

Aline Uva é eleita Coelhinha de fevereiro



Aline Uva vence outras adversárias e ganha posto de Coelhinha de fevereiro de 2013







Share







Aline Uva, a Coelhinha de fevereiro de 2013

Aline Uva foi eleita Coelhinha de fevereiro. A cantora recebeu 20 219 dos 36 963 votos, levando a melhor sobre as outras candidatas. Ela se junta a Priscila Santos à lista de primeiras vencedoras de 2013.

A gaúcha, 29, é funkeira e dona de versos como “Vem ser o meu bombeiro / mas se a tua mangueira for pequenininha / deixa pegando fogo porque a fogueira é minha”. O mais polêmico, porém, é “Deita no chão, vira de costas / eu piso, agora eu piso / a Uva é sadomasoquismo”.

Para a revista, Uva revelou que já praticou alguma brincadeiras mais sádicas. “Tem homem que ama ser pisado. [Risos.] Eu já pisei em um namorado meu literalmente. E ele gostou!”



Fonte: Revista PlayBoy —> playboy.abril.com.br

COME QUETO a rede social que vai revolucionar o SEXO Online!

É muito mais Prazer em Um só Lugar!